Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Quadro médico pode ser evitado com maior controle de remédios utilizados

10 de abril, 2019
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Iatrogenia. Termo pouco conhecido pela população, se refere a efeitos danosos causados aos pacientes após iniciarem alguns tratamentos médicos. Especialista alerta para os riscos e dá dicas de como evitar esse problema

Já ouviu falar em iatrogenia? Termo bastante conhecido por profissionais da saúde, se refere a danos causados ao paciente em razão de tratamentos que ele se submete. Em idosos, essa situação se agrava, principalmente, pelo fato de consultarem diversos especialistas, simultaneamente.

De acordo com a enfermeira e diretora da Viver Essencial Care, Maria Cristina Soares Brandão, é uma situação que pode ser evitada. “Devemos tomar conhecimento dos efeitos colaterais dos medicamentos, comprar medicamentos com receita médica, evitar a automedicação, procurar ter sempre um médico gestor para conversar com toda a equipe que atende o paciente”, revela.

Leia também: Segmento de comida saudável cresce cerca de 98% e torna-se bom negócio

Número de idosos cresce no Brasil

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população está vivendo cada dia mais. O número de idosos cresceu 18% nos últimos cinco anos e estima-se que em 2020 um quinto da população será de idosos. Diante desse cenário, a área da saúde tem investido em mudanças para promover a melhoria das condições de saúde, por meio da prática de exercícios físicos, alimentação saudável, check-ups frequentes, exames minuciosos e equipes de saúde especializadas.

Efeitos colaterais da iatrogenia

Os efeitos colaterais da iatrogenia em idosos são tonteira, confusão mental, boca seca e aumento do risco de queda, entre outros. De acordo com a especialista, existem duas formas de controlar a iatrogenia. “Por meio do Critério de Beers, que consiste em uma listagem de medicamentos considerados inapropriados e/ou pouco seguros para serem administrados em idosos, e o Critério Stopp e Start, uma ferramenta de rastreio que ajuda médicos e farmacêuticos na detenção de potenciais erros na prescrição de medicamentos”, informa.

“O atendimento domiciliar, com uma equipe integrada e qualificada proporciona aos idosos um cuidado em todas as suas esferas. Isso promove a recuperação e a visão global do paciente”, diz Maria Cristina. Por isso, resolveu fundar, juntamente com sua sócia, Letícia Rodrigues, a Viver Essencial Care.

Leia também: Co-working em BH lança clínica com foco nos homens

“É preciso pensar na integração total do paciente. Por isso, serviços que dão autonomia e uma maior interação com os familiares são primordiais no tratamento, como musicoterapia, arteterapia, massoterapia, avaliação neuropsicológica e tratamento de dor”, completa a especialista. Além dos idosos, outros grupos também podem vir a ter iatrogenia: os em pós operatórios, oncológicos, drogadictos, com fraturas, entre outros.

Você pode ler mais notícias sobre saúde na sessão Bem Estar, no nosso site.

Avalie este conteúdo

×
Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!