Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Entrevista com Thiago Martins

30 de novembro, 2019
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Bate papo. Mineiro explica mais sobre a evolução da profissão que tem conquistado cada vez pacientes

A Biomedicina surgiu no Brasil em 1966 e, desde sua origem, o curso passou por diversas modificações curriculares, ampliando as suas habilitações e qualificando seus profissionais de modo a possibilitar diversas opções para escolha da atuação no mercado.

O Dia 20 de novembro foi comemorado o Dia do Biomédico. Nesta entrevista ao JORNAL DA CIDADE o biomédico mineiro Thiago Martins fala mais sobre a importante profissão que tem ganhado espaço atualmente, principalmente, no segmento da estética. Confira:

JORNAL DA CIDADE Afinal, o que faz o biomédico?

THIAGO MARTINS Até 2010, o espaço para o biomédico no mercado praticamente se limitava à condução de estudos e pesquisas em interface com Medicina, Biologia e Farmácia-Bioquímica. Eram estudos relacionados a doenças humanas, seus fatores ambientais e ecoepidemiológicos. Nesse sentido, o profissional vem atuando há mais de 50 anos no Brasil, no interior de laboratórios de diagnóstico a partir de exames diversos, em laboratórios de pesquisa, ou mesmo dentro de hospitais, indústria cosmética e de alimentos, por exemplo.

Leia também: Entrevista com Diogo Jansen

Com o passar dos anos, as possibilidades de atuação no mercado se ampliaram, assim como a grade curricular e a diversidade de especializações. Agora, o profissional da Biomedicina pode, não só atuar investigando doenças em busca de soluções, mas também ganha cada vez mais espaços para fazer jus ao seu conhecimento além do trabalho em laboratórios de análise ou a área clínica. Exemplo disso é a especialização em Biomedicina Estética.

Como a biomedicina também está presente na área da estética?

A história da biomedicina na estética começou em 2006, a partir da articulação política de uma biomédica do interior de São Paulo junto ao presidente do Conselho Federal de Biomedicina (CFBM), Sílvio Cecchi. A biomédica Ana Carolina Puga mudou o rumo da profissão, contribuindo para a criação do “braço” da biomedicina estética, que atualmente é responsável por gerar a maior parte dos novos interessados na Biomedicina.

Em outubro de 2010, a Biomedicina Estética foi aceita como área de atuação legítima do biomédico em plenária com todos os membros do CFBM e biomédicos envolvidos com a causa, estabelecendo-se como a 36ª habilitação dos biomédicos. Em fevereiro de 2011, foi baixada pelo CFBM a Resolução N° 197, que dispõe sobre as atribuições do profissional biomédico no exercício da Saúde Estética e atuação como responsável técnico de empresa que executam atividades para fins estéticos. Em seguida, em 1º de julho de 2011, foi baixada a Resolução Nº 200 do CFBM, que estabeleceu os critérios para habilitação em Biomedicina Estética.

Leia também: Entrevista com Juliano Murlick

Qualquer biomédico pode atuar na estética?

Não. O Biomédico Esteta precisa ter bacharelado e experiência nos procedimentos estabelecidos pela resolução CFBM 200/2011. Essas exigências dizem respeito a estágios e pós-graduação na área de estética, realizados em instituições reconhecidas pelo MEC. Com essas habilitações, ele tem formação teórica, prática e respaldo legal para atuar na realização de praticamente todos os tipos de intervenções estéticas, com exceção de cirurgias. A resolução nº 241/2014 do CFBM reconhece a habilitação do biomédico esteta para realizar procedimentos como a aplicação da toxina botulínica, preenchedores e outros injetáveis. A mesma resolução estabelece ainda a autonomia do biomédico esteta para a prescrição e a realização dos procedimentos que envolvam a utilização de lasers (de baixa, média e alta potência) e outros recursos tecnológicos utilizados para fins estéticos.

Na sua opinião, por que a procura pelo curso de biomedicina cresceu tanto, e que dica você daria para quem quer entrar na área?

Acredito que a procura cresceu, principalmente, devido a essa evolução no campo de atuação. Ao longo dos anos, percebeu-se que o profissional possui conhecimento suficiente para ocupar inúmeras outras funções no mercado além da pesquisa. Hoje, o profissional, além de ser capacitado, pode também atuar em diversas frentes como consultórios, clínicas, redes de franquias e diferentes tipos de companhias de pequeno, médio e grande porte, além poder se capacitar para dar aulas em cursos de graduação com bacharelado e grau de licenciatura. Minha dica é: estude, leia, faça cursos teóricos, mas também práticos. É um ótimo mercado, porém, apenas se você tiver excelência no que faz.


Sobre Jornal da Cidade BH:

Portal de notícias de BH e região, com informações sobre eventos empresariais, negócios, economia, política, cobertura social e muito mais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário