Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Pra que time ele torce?

07 de novembro, 2019
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Amor de mãe. Lá em casa, dia de jogo sempre foi dia de festa

Eu, confesso, nunca entendi nada (mas nada mesmo) de futebol, mas adorava domingo de clássico e o som do interfone que a todo instante anunciava: vai ter junta-junta. Vovô era sempre o primeiro a chegar e o único que não fazia barulho. O resto da parentada de descendência italiana mal passava pela porta e já começava a bagunça. Somos uma família barulhenta. Gente que fala alto, gargalha, gesticula como se tivesse brigando. Na hora de xingar juiz então, meu Deus, minha torcida ia para os anjos tamparem os ouvidos.

Cresci assim. Com a casa se transformando em arquibancada em dias de futebol. No intervalo, todo mundo ia para a mesa enorme saborear o café medroso, como costumava dizer seu Possato. “Café medroso, vô?” Um dia perguntei. “É café que vem acompanhado, minha neta.” Eu olhei para mesa farta e entendi: broa, pão de queijo, queijo, pão, rosca, biscoito e etc. Cada um trazia o que tinha em casa e o café rapidinho ficava medroso.

Em Minas, a rivalidade é entre Cruzeiro e Atlético. Quando tinha jogo, minha casa sempre ficava mais azul. Sim, minha família é quase toda cruzeirense. “O maior dos gramados”, cresci ouvindo meu pai dizer. Mesmo sem compreender a dinâmica da bola, acabei me vestindo de azul também: “o manto sagrado”.

Os anos se passaram, sai de casa, me casei e tive dois filhos. Dois homens, que não demoraram muito a ganhar o uniforme de cinco estrelas. Enzo e Francisco mal sabiam falar e o avô já se punha à postos para ensinar as sílabas mais importantes do dicionário: zê-ro! Eu achava graça, mas alertava: “pai, eles podem escolher o time que quiserem.” Ele torcia o nariz, sem jamais considerar a hipótese de ter os primeiros netos homens torcendo para o time rival.

Por que é tão difícil deixar quem a gente ama escolher os próprios caminhos? Carregamos uma certa arrogância ao acreditar que sabemos o que é melhor para o outro. Mesmo com boa intenção, muitas vezes sufocamos escolhas que jamais deveriam ser nossas. Projetamos, no outro, desejos, sonhos, projetos, até time de futebol. Nos sentimos no direito de assumir a direção de um roteiro que não é nosso.

Meus filhos? São cruzeirenses, para o orgulho do avô. Para o orgulho de mãe basta que sejam capazes de fazer as próprias escolhas. Eles são os donos da bola e podem tocá-la para o lado que quiserem. Fico na arquibancada torcendo para que o lado seja sempre o da verdade, do respeito, da empatia, do amor. Se a bola desviar demais vou gritar, claro. Sou sócia-torcedora. Vou comemorar vitórias, chorar derrotas. Mas não posso entrar em campo. Esse jogo não é meu. Serei torcida, juíza, bandeirinha, treinadora, mas só chuta para o gol quem está nos gramados.

Pra que time ele torce?
5 (100%) 6 voto[s]


Sobre Viviane Possato:

Viviane Possato, repórter e escritora, 43 anos. Jornalista com 20 anos de experiência em redações e assessorias de imprensa. Formada em Jornalismo (1998) e Relações Públicas (1999) pela PUC-MG. Cursou pós-graduação em Políticas Públicas (2005) e em Formação Política e Econômica da Sociedade Brasileira (2000). Trabalha como repórter de televisão há 17 anos e é colunista do Jornal da Cidade desde 2014.

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Esmeralda 10 de novembro de 2019

    Parabéns pelo artigo, adorei!

Avatar
Deixe um comentário

×
Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!