Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Zema anuncia 800 leitos para combater o coronavírus e defende ações para minimizar os impactos econômicos

25 de março, 2020
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Saúde.Governo de Minas dará início, nesta quarta-feira, 25, à construção de um hospital de campanha no Expominas, em Belo Horizonte. Serão oferecidos 800 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados ao enfrentamento do novo coronavírus. A informação foi divulgada pelo governador Romeu Zema em coletiva de imprensa transmitida ao vivo nesta terça-feira, 24. Além disso, em videoconferência com o presidente Jair Bolsonaro, Zema ressaltou a importância de, neste primeiro momento, adotar as medidas de prevenção contra a doença, mas também defendeu ações efetivas do governo federal para minimizar os impactos econômicos à população.

“Como o Expomimas está com a sua atividade interrompida, vamos aproveitar um galpão de 18 mil metros quadrados, climatizado e um pé-direito adequado para darmos início, a partir de amanhã, à construção de um hospital de campanha. Além disso, ainda temos a previsão de ofertarmos mais 100 leitos de alta complexidade em uma área anexa”, explicou.

Pela manhã, além do Expominas, o governador vistoriou o Hospital Mário Penna nesta terça-feira. A unidade hospitalar conta, atualmente, com uma área desativada e que pode ser utilizada com a mesma finalidade. “A forma mais fácil de adicionarmos novos leitos ao Sistema de Saúde é utilizarmos estruturas já preparadas, mas que se encontram ociosas”, disse.

Leia também: Covid-19: com 130 casos confirmados em Minas, Funed estabelece pré-requisitos a laboratórios

O governador ressaltou que outros leitos serão ampliados em hospitais no interior. A Polícia Militar começou a contatar prefeituras para ter um panorama de onde podem ser erguidos hospitais de campanha ou ampliados leitos em unidades já existentes. Uberlândia, Juiz de Fora, Barbacena e Divinópolis são municípios que apresentam potencial. Hoje, o SUS opera com cerca de 2 mil leitos em Minas. Metade desses estarão vagos com o cancelamento das cirurgias eletivas.

Doação

Durante a coletiva, o governador Romeu Zema anunciou que já está disponível pela internet informações para pessoas físicas e jurídicas que desejam fazer doações de material e recursos financeiros. “Estamos recebendo muita solidariedade de empresas, entidades e pessoas que gostariam de fazer contribuições para combatermos a pandemia em Minas Gerais. Por meio deste link os interessados terão todas as informações necessárias”, explicou.

Turismo

Outra informação divulgada foi em relação à cadeia do turismo. A partir desta terça-feira (24/3) micro e pequenas empresas que compõem o setor terão condições de financiamento facilitadas pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

Os juros iniciais da linha de crédito caem de 7% ao ano (+ INPC) para 5% ao ano (+ INPC). Já o prazo de carência dobrou, passando de seis meses para 12 meses, com pagamento em até 48 meses.

Podem solicitar o crédito empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões e pertencentes a uma das mais de 90 atividades econômicas da cadeia do turismo, incluindo empresas de hospedagens, bares e restaurantes, transporte e agências de turismo, até negócios de produções artísticas, de teatro e dança, animação de festas, infraestrutura de eventos e aluguel de equipamentos.

Mas o governador adiantou que já está em estudo pelo BDMG a criação de linhas de créditos para empresas de todos os portes e que atuam nas demais áreas da economia. “É uma resposta do banco às empresas que estão sendo afetadas pela crise”, explicou.

ICMS

Um dado alarmante apresentado por Zema durante o pronunciamento foi em relação à previsão de queda da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) com o impacto do novo coronavírus na economia mineira. Estima-se que a retração será de R$ 7,5 bilhões em 2020.

“A perda que estimávamos de R$ 2,5 bilhões pode atingir uma cifra três vezes maior, caso essa previsão pessimista se confirme. Isso nos deixa extremamente preocupados. A Secretaria de Estado de Fazenda (SEF) já está atenta às medidas que poderão ser adotadas para nos adaptarmos a este novo cenário”, relatou.

Presente à coletiva, o secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Otto Levy, chamou atenção para a dimensão do problema. “Nós estamos falando de duas folhas de pagamento do Estado. Significa que a economia de Minas perderá duas folhas até o final do ano”, enfatizou.

Romeu Zema defende ações do governo federal para minimizar impactos econômicos do coronavírus

 O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, participou na manhã desta quarta-feira, 25, de uma videoconferência com o presidente da República, Jair Bolsonaro, ministros de Estado e demais governadores do Sudeste do país para discussões e alinhamento das ações de enfrentamento contra o coronavirus no Brasil.

Na reunião, Zema ressaltou a importância de, neste primeiro momento, adotar as medidas de prevenção contra a doença – respeitando as determinações já adotadas pelo governo e as da Organização Mundial de Saúde (OMS), mas também defendeu ações efetivas do governo federal para minimizar os impactos econômicos à população.

“Quero lembrar que em Minas Gerais nós estamos adotando as melhores práticas, aquelas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e já adotadas em países desenvolvidos. Queremos, em primeiro lugar, a preservação da vida. Foi uma reunião bastante produtiva, tenho certeza que Minas e o Brasil estão tomando as medidas certas para que nós venhamos a superar este que talvez seja o momento mais difícil das últimas décadas”, afirmou o governador.

Leia também: Minas Gerais teve avanços em 2019, apesar das dificuldades

O presidente Jair Bolsonaro se mostrou preocupado com o problema econômico que a crise poderá causar ao país, gerando milhares de desempregados. Segundo ele, é preciso “cooperação” para que o país passe pela crise. “Esse é o quadro que se apresenta entre nós e temos que, juntos, buscar alternativas para esta questão”, explicou.

A preocupação com a economia do país também foi compartilhada pelo governador Romeu Zema, que apresentou algumas demandas ao governo federal que poderiam ajudar o Estado a passar por este momento de instabilidade econômica.

“Compartilho a preocupação do presidente Bolsonaro com a questão econômica e, muito provavelmente, o Ministério da Economia deverá propor medidas visando a preservar os empregados e também os empregadores, inclusive mencionei isso com o ministro Paulo Guedes. É importantíssimo nós termos algumas medidas neste sentido com uma certa urgência. E levei também os pleitos de Minas Gerais, que está sendo fortemente impactado. Vamos ter, caso esta situação perdure, uma queda na arrecadação de ICMS da ordem de R$ 7,5 bilhões, e isso seria catastrófico para o nosso Estado. Dentro disso, levei o pleito para que o governo federal tente antecipar os recursos da Lei Kandir e tente encaminhar e fazer com que o Congresso aprove o quanto antes o projeto Mansueto, que vai ajudar os Estados endividados”, reforçou o governador Romeu Zema.

Entre algumas das ações de apoio aos estados apresentadas pelo governo federal durante a reunião estão a suspensão do pagamento da dívida dos Estados com a União, a manutenção dos repasses do Fundo de Participação dos Estados e a ampliação dos investimentos na saúde para o enfrentamento ao coronavírus.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, ressaltou a importância da parceria entre os estados e a União na construção de saídas para a crise econômica. “O governador Romeu Zema, particularmente, sempre conduziu muito bem o ajuste dele. Nos encontramos várias vezes em Brasília. Ele sempre foi lá, foi atendido, tivemos pelo menos dez reuniões ou mais, ele nos mostrando como fez esses ajustes durante esse período, e nós o estimulamos e dissemos que vamos apoiar, mas que precisamos de ferramentas legais. O plano Mansueto é uma delas e, agora, podemos acelerar o processo. Nós precisamos de dinâmica em um momento como este em que todos estão em crise”, afirmou.

Também participaram da videoconferência, pelo governo federal, o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão; o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; além de demais secretários. Por Minas Gerais, os secretários de Governo, Igor Eto, de Fazenda, Gustavo Barbosa, de Planejamento e Gestão, Otto Levy, e o secretário-geral, Mateus Simões, também participaram da reunião.


Sobre Jornal da Cidade BH:

Portal de notícias de BH e região, com informações sobre eventos empresariais, negócios, economia, política, cobertura social e muito mais.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário