Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Pesquisa nos EUA aponta que aplicativos contribuem para piora do trânsito

01 de dezembro, 2018
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Velocidade. Por permitir que muitas pessoas deixem seus carros na garagem, os serviços por aplicativos chegaram a ser apontados como soluções para o trânsito em grandes cidades. No entanto, pesquisa realizada pela Schaller Consulting dos EUA e publicada em julho pelo jornal Washington Post, aponta justamente o contrário.

Segundo levantamento, os aplicativos estão contribuindo para piorar o trânsito de grandes cidades, porque não conseguem fazer as pessoas definitivamente trocarem seus carros pelo novo modelo. Realizado em nove das principais cidades americanas, o levantamento concluiu que os serviços de corrida compartilhada, na modalidade tradicional ou compartilhada, resultaram no aumento do número de carros nas ruas, o que refletiu no aumento de congestionamentos.

A categoria compartilhada, por exemplo, passou a competir com meios de transportes públicos, o que contribuiu para aumentar o tempo e número de veículos na rua.

A pesquisa revelou que a maioria das pessoas continua usando o carro próprio. Os aplicativos de transporte são alternativas somente quando o usuário vai a locais difíceis para estacionar, como o Centro da cidade, ou quando pretende beber. O veículo pessoal foi substituído em apenas 20% das corridas. A maior parte das viagens, 60%, foram realizadas via transporte público, com bicicleta ou a pé.

Nas nove cidades pesquisadas, os serviços de corrida compartilhada percorreram cerca de 9,1 bilhões de quilômetros nos seis anos de pesquisa. Em grande parte desse percurso, os carros de aplicativos circulam vazios em busca de passageiros ou se deslocando para embarcá-los.

Para iniciar uma viagem de pouco mais de 9km, os veículos percorrem cerca de 5km. As cidades americanas analisadas pelo estudo foram Nova York, Los Angeles, Chicago, Boston, Washington, Miami, Filadélfia, San Francisco e Seattle.