Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Mineiro vai comandar o turismo nacional

06 de dezembro, 2018
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Política. Deputado federal por Minas Gerais mais votado, Marcelo Álvaro Antônio quer o resgate deste segmento tão importante para a economia do País

Com o desafio de resgatar o turismo, assim como a situação econômica, de infraestrutura e de segurança pública, o deputado federal por Minas Gerais, Marcelo Álvaro Antônio aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro e irá assumir uma das pastas mais importantes do Governo.

Parlamentar mais votado do Estado, com 230 mil votos, o mineiro de BH de 44 anos e atuou como coordenador dos trabalhos de campanha do presidente eleito na capital.

“Recebo com muita responsabilidade a indicação do nosso presidente eleito, Jair Bolsonaro, para assumir, a partir do próximo ano, o Ministério do Turismo, pasta de enorme relevância para a economia do nosso País, sobretudo na atração do capital estrangeiro e geração de empregos para os brasileiros”, declarou o político.

Segundo ele, um conjunto de esforços será integrado às demais áreas do governo. “Conduziremos com visão empreendedora, inclusiva e com compromisso com os valores pregados pelo Presidente Bolsonaro, de austeridade, retidão e combate à corrupção”, acrescentou, em texto publicado em suas Redes Sociais.

Hoje, compõem a estrutura do Ministério do Turismo o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur); a Secretaria Nacional de Estruturação do Turismo; e a Secretaria Nacional de Promoção e Qualificação do Turismo. O atual ministro é Vinicius Lummertz.

Marcelo Henrique Teixeira Dias ingressou na política em 2012, quando foi eleito vereador em Belo Horizonte. Ao longo de sua vida política, ele desenvolveu mais de 20 Projetos de Lei, a maior parte voltada para a área da saúde. Por exemplo, ele é autor do PL que torna obrigatório o atendimento psicológico nas escolas de educação básica, fundamental e ensino médio. Redigiu também os projetos de venda de medicação fracionada, regulamentação da profissão dos terapeutas naturalistas dos massoterapeutas.

Recentemente, arquitetou o PL que determina a proibição da venda e compra de canudos plásticos descartáveis em território nacional. O futuro ministro do Turismo também sugere também o hasteamento da bandeira nacional em todas as instituições públicas brasileiras.

Esses e outros projetos estão em tramitação em Brasília, aguardando aprovação do Senado e, posteriormente, sanção da presidência.

Desafios

O futuro Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, terá pela frente diversos desafios em relação ao resgate do turismo no Brasil. Alguns são prioridades:

  • INFRAESTRUTURA – Segundo estudo da Confederação Nacional de Transporte (CNT) apenas 12,4% da malha rodoviária é pavimentada. A frota, por sua vez, aumentou 63,6% no período de 2009 a 2017, chegando a quase 100 milhões de veículos em circulação no Brasil. Para piorar, a nossa malha ferroviária tem somente cerca de 30 mil quilômetros – é quase a mesma da época do Brasil Império.
  • SEGURANÇA – Com taxa de homicídio 30 vezes maior que a Europa, com 60 mil casos (dados do Atlas da Violência de 2018), o Brasil precisa encarar de frente a questão. Muitos turistas deixam de viajar para cá, por causa da falta de segurança. Capitais turísticas, como Rio, Salvador, Recife e Fortaleza veem a escalada de assaltos e homicídios crescerem a cada ano.
  • CUSTO-BRASIL – O que impede o aumento da produtividade do turismo é o Custo Brasil. Um ranking internacional afirma que entre 140 países avaliados, o Brasil ocupa a 137ª posição dos piores ambientes para se montar um negócio de turismo.
  • AVIAÇÃO VULNERÁVEL – Apesar de o Brasil ter diversos novos aeroportos, bem estruturados e confortáveis, depois das privatizações implementadas para a Copa do Mundo 2014, temos ainda poucos Hubs aéreos (tudo muito concentrado em São Paulo e Rio). Além disso, voos fretados se limitam a poucas operadoras e as companhias aéreas nadam de braçada em um mercado altamente monopolizado.