Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Crítica: Mãe! é o grito de socorro da natureza para a humanidade

23 de abril, 2019
Por: Helena Ivo
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Cinema & meio ambiente. O Dia da Terra é comemorado em 22 de abril e completou 49 anos nessa segunda-feira. Para homenagear a data, o Jornal da Cidade vai indicar ao longo desta semana alguns filmes que falam sobre problemas ambientais. Para começar, “Mãe!”, de 2017.

“Mãe!” foi dirigido e escrito por Darren Aronofski, responsável por “Cisne Negro”, “Noé” e “Réquiem para um Sonho”. O longa, que conta com Jennifer Lawrence no papel principal, causou grande controvérsia na época de seu lançamento, pois muitos acreditavam que era muito confuso e não entenderam as metáforas por trás da história “sem pé nem cabeça”.

Mãe! explora problemas ambientais

Se você não entendeu o motivo pelo qual “Mãe!” é uma excelente obra sobre os problemas ambientais da atualidade, a gente explica! O post terá spoilers, mas as revelações do enredo podem ajudar a quem ainda não assistiu ao longa.

Darren Aronofsky já explicou anteriormente que o longa é uma simbologia para a forma como a humanidade maltrata a Terra mesmo após tantos sinais de que precisamos cuidá-la.

Leia também: Crítica: A Casa Que Jack Construiu é, talvez, o filme mais importante de Lars Von Trier

Jennifer Lawrence traz a melhor atuação de sua carreira ao interpretar a “mãe”, personagem que é uma metáfora para a “Mãe Natureza”. Nesse longa, podemos perceber o comprometimento da atriz ao dar vida à personagem, que a todo tempo grita por socorro na tentativa de proteger a “criação divina”.





Entenda as metáforas

Se você ficou até o final do filme e leu os créditos, deve ter percebido que, além da mãe, temos o personagem de Javier Barden, que só descobrimos que é “Ele” (Deus) quando as letras sobem:

Créditos finais de Mãe!, revelando a história de cada personagem. Foto: Reprodução/Paramount

A casa simboliza o Jardim do Éden (Gênesis 2:15). Michelle Pfeifer, por sua vez, interpreta Eva, Ed Harris é Adão e seus filhos que brigam até a morte são Caim e Abel. A partir daí, as metáforas ficam cada vez mais evidentes, assim como o desespero da mãe em proteger sua casa.

Diversas vezes ela tenta fazer reparações no lar em que vive (Gênesis 1:20-25) e pede, aos berros, que seus visitantes respeitem o ambiente, até que as coisas fogem de seu controle.

Leia também: Capitã Marvel conhece Audi e-tron em divertido vídeo

O caos instalado daí em diante pode ser o que gerou debate entre quem assistiu ao filme, pois alguns afirmam ter ofendido os conceitos da Bíblia. Ao invés disso, podemos perceber a partir de certos eventos a intenção de Aronofski em enfatizar como o ser humano é mesquinho. É feita uma nítida crítica à Igreja e a outros cultos religiosos, que – na apresentação do autor – tentam controlar o povo ao invés de direcionar os fiéis a coisas boas.

Os pontos religiosos em Mãe! nada mais são do que um fio condutor e mais uma comparação à ganância e sede de poder da humanidade, que a impede de cuidar do que todos nós temos em comum: a Terra.

Nota: 10/10

Onde assistir

“Mãe!” está disponível no Telecine Play e no Youtube Filmes, ou no Now (Net e ClaroTV).

Assista ao trailer do filme:

Leia aqui todas as críticas do Jornal da Cidade e não se esqueça de continuar acompanhando o portal para as próximas críticas de filmes que falam sobre o planeta.

Crítica: Mãe! é o grito de socorro da natureza para a humanidade
5 (100%) 10 voto[s]


Sobre Helena Ivo:

Helena Ivo, redatora, 25 anos. Graduada em Jornalismo pela PUC Minas, especialista em Marketing de Relacionamento, Eventos e Comunicação Empresarial pelo Instituto Superior de Comunicação Empresarial de Lisboa e em Produção de Conteúdo para a Web e Marketing de Conteúdo Avançado pela Universidade Rock Content. Já foi assessora de imprensa na Agenda Comunicação Integrada e social media em agências de Comunicação Empresarial. Apaixonada por cultura, já fez cobertura de eventos empresariais e shows nacionais e internacionais como Humberto Gessinger, Lana Del Rey e Kings of Leon. Atualmente é redatora no Jornal da Cidade BH e nas horas vagas é crítica de cinema e séries no Mundo Hype.

Senha o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário

×
Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!