Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Espiritualidade: textos sobre Barnabé

10 de setembro, 2020
Por: Jornal da Cidade BH
Texto: Carlos Malab
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

O JORNAL DA CIDADE BH preparou lançamentos, periódicos, com uma série de escritos sobre Barnabé, um dos primeiros trabalhadores que se agregaram integralmente à causa cristã. Confira todos os textos da coluna sobre Barnabé assinada por Carlos Malab.

Não há injustiça que dure para sempre

-Layla minha irmã, vamos orar a Deus pedindo por seu querido filho. O Pai que é amoroso e justo irá ampara-lo e a sua família.

-Mestre Barnabé, estou muito aflita, meu filho está machucado pelos golpes que levou e agora foi levado para ser interrogado. Ele é inocente, é uma vítima e mesmo assim o tratam como se estivesse envolvido em um roubo.

-Calma minha irmã, vamos averiguar o caso, mas peço do fundo do coração que não me chame de mestre, porque não o sou. Me chame irmão Barnabé como todos nesta casa me conhecem. O que o seu filho está sofrendo não é merecido pelo que você nos diz. Conte-me com detalhes o que ocorreu para que possamos ver de que forma conseguimos auxilia-la e ao seu filho.

A senhora pareceu mais calma com as palavras ditas com entonação de paz e harmonia. Após beber um copo de agua e ficar em silencio por alguns instantes, readquiriu as forças e já demostrando equilíbrio começou a falar:

-Irmão Barnabé, sou viúva e tenho um único filho chamado Isidoro. Ele se chama assim porque meu marido quis homenagear um grego que lhe salvou a vida em um naufrágio quando ele era jovem. Isidoro desde cedo se habituou com o trato da criação e meu marido que comercializava camelos o ensinou como agir no mercado.

Layla parou por uns instantes e esforçando-se para conter as lágrimas prosseguiu:

-O senhor sabe como o comercio de camelos é perigoso. Além das caravanas ficarem muito tempo longe de casa em viagem, existe sempre o perigo do roubo. Meu marido saiu em uma jornada e nunca mais voltou. Já se passaram vários anos Julianos e a notícia que recebi é que ele foi atacado e morto. Agora tudo se repete. O meu Isidoro continuou a trabalhar com os animais, mas agora como assalariado de poderoso comerciante que se condoeu de nosso estado de penúria pela falta de meu marido. Há dois dias, meu filho estava guardando um pequeno rebanho quando foi atacado até quase a morte e abandonado ao relento. Os ladrões levaram a criação sem deixar rastros.

Barnabé vendo o estado emocional de Layla, interrompeu o relato para que ela descansa-se um pouco e restabelecesse as condições de continuar. Decorridos alguns momentos ela falou:

-O patrão de meu filho ficou transtornado com o roubo, chamou os guardas para investigar, sendo prontamente atendido pois pediu interseção de poderoso amigo romano. Estava cuidando de meu filho quando vieram a minha casa e o levaram a força. Sei que Deus é poderoso e atende seus pedidos. Muitos foram curados e atendidos aqui. Venho pedir a ajuda, como um ultimo recurso de esperança para a libertação de meu filho.

Barnabé tocado pela história daquela mulher tão sofrida que havia perdido o marido e agora estava a perder o único filho, pensou em Deus pedindo mentalmente orientação. Recordou as palavras de Jesus quando ensinou “Felizes os aflitos, porque serão consolados” (1) e “Felizes os que tem fome e sede de justiça, porque serão saciados” (2).
Quase que automaticamente lembrou-se de um romano influente, simpatizante da assistência prestada pela casa. Quem sabe ele poderia orienta-lo como agir neste caso? Assim que Layla calou-se ele comentou:

-Minha irmã vamos procurar ajuda-la de todas as formas que forem possíveis. Nosso mestre nos ensinou a ter animo e fé no poder de Deus. Vamos orar minha irmã e pedir orientação a alto que não nos desampara. Não há injustiça que dure para sempre.

Após proferir uma prece, sendo as suas palavras seguidas e repetidas por Layla, Barnabé vendo o estado de desequilíbrio emocional da visitante, pediu ao irmão Nilzo que a levasse de volta para sua casa e despediu-se dizendo:

-Irmã nosso Senhor te acompanha. Assim que tivermos alguma notícia vamos te procurar. Leva contigo como lembrança de nossa casa este pequeno farnel de farinha e cereais para que possas fortalecer em sua alimentação.

Layla muito agradecida e emocionada seguiu de retorno a sua residência.

No dia seguinte Barnabé foi até o fórum buscar informações sobre o caso de Isidoro e ficou sabendo que o seu patrão o havia acusado de ser relapso e conivente com o roubo executado.

Conseguiu orientação e autorização, com um simpatizante dos ensinos do Cristo, para visitar o prisioneiro.

Isidoro se encontrava em cela lotada de infelizes de toda a ordem. O estado do rapaz era lamentável, agravado pelo ambiente insalubre da prisão.

-Meu irmão o que se passa com você? Me chamo Barnabé e sou da casa do caminho. Sua mãe nos visitou ontem pedindo auxilio. Me conte o que aconteceu, não omita nada para que possamos lhe ajudar a sair daqui.

O jovem demonstrando poucas forças, olhou para Barnabé, ansioso como um naufrago que vê uma taboa que pode lhe dar a salvação e respondeu:

-Senhor Barnabé não tenho palavras para dizer como estou feliz em receber a sua visita e atenção. Peço que ampares a minha querida mãe que está desolada e sozinha neste mundo.

-Não se preocupe meu irmão, sua mãe está bem e em breve vou visita-la levando noticias suas. Tenha fé e confiança no poder de Deus.

O rapaz ficou emocionado e as lágrimas desceram pela sua face. Após breve intervalo prosseguiu:

-Desconheço por que me acusam. Fiz o meu trabalho como sempre. Levei os animais como sempre o faço ao local designado pelo encarregado de meu patrão. O local era mais ermo do que de costume mas não ousei perguntar o porquê. No horário mais escuro da noite, estava próximo de pequeno fogo quando fui atacado e perdi a consciência. Quando acordei o sol já estava alto no céu. Com grande dificuldade consegui me movimentar e sair do lugar. Outros tratadores amigos me encontraram levando-me para casa. Contaram que a cáfila (3) havia desaparecido. Ontem os guardas me buscaram e me depositaram aqui. É tudo o que sei.

-Entendo, vou procurar ajuda para o seu caso. Fique com estes pães e procure descansar.

Barnabé retirou-se da prisão e resolveu procurar o patrão do rapaz e lhe pedir um voto de confiança já que se tratava de um bom serviçal que nunca lhe trouxera problemas e necessitava cuidar da mãe. Seguiu para abastada residência onde foi recebido por Nathan.

-Pois não o que desejas? Pronunciou-se o rico e poderoso comerciante judeu de excelente relacionamento com o governador.

-Senhor venho pedir sua misericórdia para seu servo Isidoro, ele se encontra machucado e preso em local que temo lhe retirará a vida em breve. Ele é um rapaz bom e sustenta a mãe necessitada. Ela me contou como o senhor lhe deu o emprego e como é bom o seu coração. Peço que consintas que o liberem da prisão até que se terminem as investigações.

Natan olhou direto nos olhos de Barnabé e perguntou:

-Entendo o seu pedido, mas que exemplo estarei dando aos que trabalham para minha casa se deixar o jovem livre? Que não existe punição para um roubo que me trouxe grande prejuízo? E se ele fugir? O caso é muito grave.

-Senhor Nathan, agradeço muito por me receber e isto demonstra a qualidade de sua nobre pessoa. O seu ato será interpretado, ao nosso ver, pelos seus trabalhadores, como sendo não de fraqueza mas de respeito e de justiça. Eles saberão que poderão contar com a sua sabedoria para não punir injustamente. Se o rapaz morrer na prisão, sendo inocente, como ficará o senhor perante Deus? Peço que o deixes aos meus cuidados, ele não vai fugir. Ele está muito machucado e tem zelo pela mãe. Se suas investigações não terminarem, até ele se recuperar totalmente, o senhor sempre poderá encarcera-lo. Peço a misericórdia de permitir que o trate neste momento.

Nathan coçou a barba, pensou por uns instantes e retornou:

-Muito bem senhor Barnabé, nada me interessa velo morto agora, até porque a sua pena será bem dura se for confirmado que ele é culpado. Vou atender o seu pedido, com a condição que o senhor se responsabilize que ele não irá fugir e assumindo a punição da lei se isto ocorrer. Desejo ser informado constantemente sobre o restabelecimento do rapaz.

-Assim será senhor Nathan. Prometeu Barnabé.

-Pois bem, pedirei que ele seja libertado e colocado sob a sua custodia amanhã.

Barnabé seguiu para a casa de Layla dando-lhe a notícia e em seguida regressou a casa do caminho, agradecido a Jesus pela dádiva conseguida. Orou pedindo auxilio para a resolução do caso. Havia assumido grave responsabilidade mas tinha confiança em seu julgamento da honestidade de Isidoro. No dia seguinte Barnabé retirou o jovem da prisão e começou a tratar dele.

Os dias passavam e Isidoro, com o tratamento recebido ia cada vez ficando melhor. Não havia terminado o mês quando Barnabé recebeu um recado para ir se encontrar com Nathan. Seu coração bateu forte na expectativa de qual seria o desfecho da situação. Seria Isidoro mandado novamente a prisão? Orando dirigiu-se a residência do rico comerciante.

-Senhor Barnabé, quero lhe informar que nossa pesquisa sobre o roubo não evoluía mas em um lance de sorte, encontramos os culpados pelo roubo e descobrimos que Isidoro esta inocente. Ele está livre e o senhor está liberado do seu compromisso. Já conseguimos prender os dois ladrões e eles receberão a punição merecida. Agradeço por intervir pois de outra forma teria causado uma perda irreparável ao jovem e sua família. Diga a ele que se desejar pode retornar a trabalhar aqui.

-Eu é que agradeço senhor Nathan e peço a Deus que abençoe o seu coração justo e bom. Conte conosco no que precisar.

Barnabé não se continha de alegria, retornou ligeiro a casa cristã e ao chegar, abraçou Isidoro com emoção e lagrimas. Durante vários minutos só conseguiu se expressar dizendo:

-É Jesus, é Jesus! Quanta benção

(1) Mateus 5:5
(2) Mateus 5:6
(3) Cáfila – Bando de camelos

Carlos Malab – textos sobre Barnabé

Engenheiro, 61 anos, formado pela PUC-MG, com extensão no IEC e Fundação Don Cabral, o autor da coluna, foi Professor convidado no IBMEC, IEC, IETEC e PUC-MG. Possui vasta experiência em planejamento e implementação de tecnologias no Brasil, tendo trabalhado por um ano na Namíbia onde dirigiu a parte tecnológica da maior empresa de Telefonia Móvel Celular do pais. Atualmente reside em Belo Horizonte onde desenvolve atividades de consultoria. Tem se dedicado a estudos, pesquisas sobre o Evangelho e questões espirituais. Espírita Cristão, Atualmente integra os quadros do Portal Saber Espiritismo, do Grupo Mediúnico Maria de Nazaré e do Grupo Espírita Saber Amar de Belo Horizonte.  É palestrante e autor dos livros Telefonia Móvel de Forma Simples e Prática (Clube de Autores) e Era Uma Vez Para Sempre (Editora Vinha de Luz).

E mail: [email protected]


Sobre Jornal da Cidade BH:

Portal de notícias de BH e região, com informações sobre eventos empresariais, negócios, economia, política, cobertura social e muito mais.

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Hermes Dagoberto 16 de setembro de 2020

    Gostei do assunto de sua publicação, gostaria de ver se é pertinente de divulgar em meu site: link acima.

    Sds.

    Hermes

  • Avatar
    Natal Holanda 10 de setembro de 2020

    Parabéns

Avatar
Deixe um comentário