Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Crítica: Entenda por que “Velvet Buzzsaw”, novo filme da Netflix, é incrível

07 de fevereiro, 2019
Texto: Helena Ivo
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Cinema. “Velvet Buzzsaw” estreou na última semana, na Netflix (assista aqui), e tem dividido opiniões. O longa é escrito e dirigido por Dan Gilroy, também responsável por “O Abutre”.

O filme, estrelado pelos aclamados Jake Gyllenhaal, Rene Russo e Zawe Ashton, conta a história de um trio que se deixou sugar pela fama do mundo da arte em Los Angeles.

Gyllenhaal é Morf Vandewalt, um renomado crítico capaz de ditar quem são os grandes artistas, e consequentemente influenciar no poder de compra das obras. Se suas críticas são negativas, os artistas são um fracasso. Rene Russo interpreta Rhodora Haze, dona de uma das mais conceituosas galerias de Los Angeles.

 Zawe Ashton, por sua vez, dá vida a Josephina, uma das assistentes de Rhodora que espera um dia alcançar o mesmo nível de sucesso que sua chefe. No início do filme a personagem encontra o corpo de seu vizinho e, em seu apartamento, pinturas que impressionam pela brutalidade que apresentam. Junto a tais pinturas, uma carta pedindo que suas criações sejam completamente destruídas.

Ao invés de seguir as instruções de seu vizinho, Josephina torna os desenhos públicos em busca de sucesso profissional, o que desencadeia uma série de mortes e perturbações.

Por que é bom?

A expectativa em torno de um filme de Dan Gilroy é enorme após o êxito de seu filme anterior, “O Abutre”, que também teve Jake Gyllenhaal e Rene Russo no elenco principal.

O diretor inicia o filme de forma sátira – traz um ambiente extremamente descolado seja nas artes, seja na elegância e contemporaneidade de todos os ambientes que os personagens frequentam ou até nas roupas e cortes de cabelo que usam.

Toni Collette dá vida à elegante e descolada curadora de arte Gretchen

O trio principal é formado por um bissexual que se veste de jeito excêntrico (Morf), namorado de uma mulher negra em ascensão (Josephina) e a dona da galeria (Rhodora), que é ex-integrante de uma banda punk. No contexto em que vivem, todas essas diferenças que ainda hoje são um tabu, são vistas sem preconceito, o que foi uma ótima sacada do roteiro de Dan Gilroy.

O autor acertou ainda mais em atribuir à maioria dos personagens uma personalidade esnobe por serem parte da elite intelectual e artística de Los Angeles, inferiorizando pessoas com gostos diferentes ao deles.

Damrish e Piers são dois dos talentosos artistas representados no filme

O terror de Velvet Buzzsaw só reforça as críticas ácidas do roteiro, ingrediente perfeito para a grande aprovação que recebeu no Sundance Festival 2019, quando o longa foi exibido pela primeira vez. A ameaça refletida pelo espírito vingativo presente nos quadros de Ventril Dease é suavizada pelos personagens, céticos. Ainda com constantes avisos, Josephina e Rhodora preferiram sacrificar suas vidas em nome da fama e do dinheiro.

As mortes não são representadas de modo tão atrativo quanto um filme de terror pede, mas isso pode ser exatamente uma característica proposital na narrativa de Gilroy, que optou por algo diferente e com uma pegada mais trash.

“Velvet Buzzsaw” não entrega menos que o esperado. Dan Gilroy traz mais um filme que aponta até onde a ganância pode levar o homem e faz isso de maneira astuta.

Outros destaques do elenco são Toni Collette como Gretchen, John Malkovich como Piers e Daveed Diggs como Damrish, personagens importantes para a trama.

Nota: 10/10

 Leia aqui todas as críticas do Jornal da Cidade.