Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Crítica: Mistério no Mediterrâneo

18 de junho, 2019
Por: Helena Ivo
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Cinema. O novo filme de Jennifer Aniston e Adam Sandler já está disponível na Netflix! Lançado na última semana, “Mistério no Mediterrâneo” une novamente os atores que já trabalharam juntos em “Esposa de Mentirinha” em uma nova comédia que também tem seu ar de suspense.

Na trama, Nick – um policial de Nova York –  e Audrey Spitz finalmente vão para a Europa para sua lua de mel após 15 anos de casados. Acabam conhecendo, por acaso, Charles (Luke Evans), sobrinho do bilionário Malcolm Quince (Terence Stamp) e são convidados para um fim de semana no iate de Quince. O mistério começa quando o bilionário é morto dentro do iate e o casal de americanos se tornam os principais suspeitos.

Leia também: Crítica: X-Men: Fênix Negra (SEM SPOILERS)

É bom?

Sim. Mistério no Mediterrâneo é aquele filme para relaxar e se divertir. Apesar de ter sido escrito por James Vanderbilt, que também fez o roteiro de Zodíaco, uma excelente obra policial, o suspense não chega a ser tão instigante, mas funciona. A comédia não é daquelas que nos acabamos de rir, mas cumpre o propósito.

Os cenários impressionam desde o luxo da primeira classe do avião e do navio onde acontece a maior parte dos fatos até os deslumbrantes locais na Europa onde as filmagens são feitas.

Ver a química entre Sandler e Aniston mais uma vez por si só já é algo satisfatório e apesar do pouco tempo de tela, os talentosos Luke Evans e Gemma Arterton (no papel de Grace Bannott) também acrescentam certo carisma e até expectativa à obra.

Leia também:  Crítica: Rocketman

Formato

Algo que chamou muita atenção foi a forma como as propagandas foram inseridas no longa. Desde o momento que Nick vai ao mercado os planos detalhe que focam a atenção do espectador para os produtos que estão sendo comprados (Amazon e Allegra) e isso se repete pelo menos duas vezes ao longo de Mistério no Mediterrâneo.

Em entrevista à Forbes, James Vanderbilt, justificou a inserção dos diálogos sobre o Allegra e a Loratadina (Claritin) como uma forma de tornar as cenas mais reais. “[Esse debate] é literalmente uma conversa que tive várias vezes com minha esposa”, afirma o roteirista. A tentativa provavelmente não vai passar despercebida.

A produção da Netflix deixou um pouco a desejar quando juntou um elenco e roteiristas tão eficientes e explorou o enredo menos do que poderia, mas ainda assim são 1h37 minutos bem aproveitados.

Nota: 8/10

Assista ao trailer:

Leia aqui todas as críticas do Jornal da Cidade.

Foto: Netflix

Crítica: Mistério no Mediterrâneo
5 (100%) 6 voto[s]


Sobre Helena Ivo:

Helena Ivo, redatora, 25 anos. Graduada em Jornalismo pela PUC Minas, especialista em Marketing de Relacionamento, Eventos e Comunicação Empresarial pelo Instituto Superior de Comunicação Empresarial de Lisboa e em Produção de Conteúdo para a Web e Marketing de Conteúdo Avançado pela Universidade Rock Content. Já foi assessora de imprensa na Agenda Comunicação Integrada e social media em agências de Comunicação Empresarial. Apaixonada por cultura, já fez cobertura de eventos empresariais e shows nacionais e internacionais como Humberto Gessinger, Lana Del Rey e Kings of Leon. Atualmente é redatora no Jornal da Cidade BH e nas horas vagas é crítica de cinema e séries no Mundo Hype.

Senha o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário

×
Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!