Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Adoráveis Mulheres: o clássico que se mantém atual

09 de janeiro, 2020
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Cinema. É possível uma história lançada há mais de 150 anos se manter atual e relevante em pleno 2020? Em “Adoráveis Mulheres”, que estreia hoje, 9, nos cinemas brasileiros, Greta Gerwig prova que sim. A sexta adaptação do livro Little Women, de Louisa May Alcott, um dos grandes clássicos da literatura juvenil norte-americana, mostra a força do amor familiar, a beleza do cotidiano e o poder feminino, ainda no século XIX.

Com duas adaptações silenciosas, em 1917 e 1918, a obra ganhou outras diversas versões para a TV, Teatro, Operas e nas telonas. Em 1933, com diretor George Cukor, o longa trouxe no elenco nomes como Katharine Hepburn, Joan Bennett, Frances Dee, Paul Lukas, Jean Parker o Spring Byington.

Em 1949, foi a vez do diretor Mervyn LeRoy dar ao mundo a adaptação do clássico. A produção ganha a força das atuações de June Allyson, Peter Lawford, Elizabeth Taylor, Janet Leigh, Margaret O’Brien, Mary Astor y Rossano Brazzi.

Já em 1994, a diretora australiana Gillian Armstrong trouxe uma das versões mais aclamadas de Adoráveis Mulheres, com Winona Ryder, Gabriel Byrne, Trini Alvarado, Kirsten Dunst, Susan Sarandon, Samantha Matis, Claire Danes, Christian Bale e Eric Stoltz.





Originalmente publicado como “Little Women” (Mulherzinhas em livre tradução), 1868, a obra de Louisa May Alcott, inspirada em sua própria realidade, traz o conto das irmãs March. Quatro mulheres com personalidades bem demarcadas, crescendo entre 1861 e 1865, durante a Guerra Civil Americana.

Leia também: Crítica | Bird Box agrada mais quem não leu o livro

Com o pai longe de casa, na guerra, é a mãe quem assume as responsabilidades de sustento do lar, sendo assim, as garotas precisam se manter em harmonia e conciliar os conflitos que surgem ao longo da história. Vivendo na cidade de Concord, Massachusetts, a família de classe média baixa enfrenta problemas para levar a vida, mas o laço que as une é o responsável por desatar os “nós” que aparecem ao longo da jornada.

A nova versão

Na adaptação de Greta Gerwig (Lady Bird), a história original é mantida de forma brilhante e convincente. Dividida nos momentos de adolescência e na fase adulta das irmãs, a película é ousada ao retratar os períodos temporais de maneira intercalada, mas sem marcação explicita. Essa questão pode dificultar o entendimento inicial de alguns espectadores, talvez, por isso, seja o maior desafio da diretora.

Com um time bem construído a obra consegue se desenvolver bem e prender a atenção de quem a assiste. Muito disso, por conta também da fotografia de Yorick Le Saux que transforma cada momento da obra em colírio para os olhos. Em alguns momentos é possível perceber a mudança na paleta de cores. Alteração que só contribui para a dinâmica temporal do filme.

Além disso, a trilha sonora de Alexandre Desplat arrama a trama e reforça os dramas interpretados pelo primoroso elenco formado por nomes como Saoirse Ronan, Timothée Chalamet, Florence Pugh, Emma Watson, Eliza Scanlen, Laura Dern, Meryl Streep, James Norton e Chris Cooper.





Personagens

Jo (Saoirse Ronan) é uma jovem que tem o sonho de ser escritora, no entanto, ao contrario do que se pode imaginar, suas histórias não tem como foco romances românticos em que as mulheres se casam no final.  Na verdade, sua grande inspiração para escrever histórias é a rotina com as irmãs (como se fosse um alter ego da autora).

Já Meg, interpretada por Emma Watson, é uma mulher centrada, obediente e doce. Casada e mãe de duas crianças, vive os conflitos da falta de dinheiro.

Interpretada por Eliza Scanlen, Beth March é a filha pacificadora, tímida e a mais sensível das irmãs March, seu maior talento é tocar piano. Mas sua vida muda quando ela contrai febre escarlate e fica gravemente doente.

A mais nova das irmãs é Amy, interpretada por Florence Pugh, uma jovem determinada, ambiciosa, com o sonho de ser uma grande artista. A caçila da familia já foi vista como a viã da trama por parte dos fãs, mas na nova versão de Adoraveis Mulheres é possivel compreende-la melhor.

Amy, Jo e o vzinho rico Laurie vivem uma especie de triângulo amoroso. O ultimo, é interpretado por Timothée Chalamet.

“Adoráveis Mulheres” já foi traduzido para mais de 55 idiomas e mostra o poder do amor, ainda que existam conflitos e adversidades.

Nota: 10/10

Assista ao trailer:


Sobre Jader Theóphilo:

Jornalista, 24 anos, formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Atua como redator e repórter do Jornal da Cidade BH. É produtor de conteúdo e colunista semanal na Revista Zint, com foco em assuntos culturais, e colaborador do site Notícia Preta. Adquiriu experiencia com apuração e produção de jornais da Record TV Minas, atuou como apresentador, repórter e produtor, na PUC TV. Além disso, participou da produção de 3 programas semanais, na TV Horizonte, e foi analista de mídias sociais, na Horizon, marca mineira de roupas masculinas.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário