Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

70 ANOS DE STEVIE WONDER

13 de maio, 2020
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Música. No aniversário de 70 anos de um dos maiores nomes da música, preparamos uma lista com fatos marcantes que fizeram Stevie Wonder se tornar um dos gênios da industria fonográfica.

Um dos deuses da música mundial, Stevie Wonder começou sua carreira bem jovem. Com apenas 11 anos ele foi descoberto por Ronnie White, da banda The Miracles, e em seguida conseguiu uma audição com o CEO da Motown, garantindo seu primeiro contrato e 1961

Com o nome de Little Stevie Wonder, o artista lançou, em 1962, o “The Jazz Soul of Little Stevie Wonder”, um álbum instrumental. Aliás, já nessa época, Stevie dominava uma variedade de instrumentos, incluindo gaita, piano e bateria, que aprendeu antes dos 10 anos.

Ainda em 1962, ele lançou “Tribute to Uncle Ray”, onde gravou covers das músicas do ícone do Soul Ray Charles. Mas foi no ano seguinte, aos 13 anos, que o sucesso chegou com “Fingertips (Pt. 2)”, single gravado ao vivo na turnê Motor Town Revue. A faixa foi lançada no álbum “Recorded Live: The 12 Year Old Genius” (1963) e foi direto para o topo das paradas Pop e R&B.

Em 1964, Wonder estreou no cinema com o filme “Muscle Beach Party” e na sequencia “Bikini Beach”, interpretando a si mesmo. Nas produções ele canta as músicas “Happy Street” e “Happy Feelin’ (Dance and Shout)”, respectivamente.

O sucesso de Stevie só foi aumentando. Agora, sem o “Little” em seu nome artístico, o musico emplacou diversos hits nos anos seguintes, como “Uptight (Everything’s Alright)”, “With a Child’s Heart” e “Blowin’ in the Wind”, um cover da canção de Bob Dylan.

Em 1967, foi a vez de “I Was Made to Love Her” atingir o #1 das paradas de R&B e alcançar o #2 lugar nas paradas pop. No ano seguinte, sob o pseudômino Eivets Rednow, que é “Stevie Wonder” ao contrário, lançou um álbum totalmente instrumental, jazz, a maioria com solos de gaita.

No mesmo ano, Wonder lançou o disco “For Once in My Life”, com os sucessos “Shoo-Be-Doo-Be-Doo-Da-Day” e “You Met Your Match”. O álbum seguinte foi o romantico “My Cherie Amour”, incluindo a faixa “Yester-Me, Yester-You, Yesterday”.

O ano era 1970 e Stevie chegava ao topo das paradas com a música e álbum “Signed, Sealed And Delivered”, o compilado contava ainda com um cover de “We Can Work It Out” dos Beatles.

Com problemas na Motown, o artista passou um tempo como independente. Mas, após uma renegociação de contrato, retornou a gravadora com controle quase total sobre suas músicas. Ele seguiu hitando com os discos “Where I’m Coming From”  e “Music of My Mind offered”.

Em outubro de 1972 Stevie lançou “Talking Book”, que trouxe os hits inesquecíveis “Superstition” e “Your Are The Sunshine of My Life”.

Um dos melhores álbuns de 1973, “Innervisions”, trouxe o lado político, crítico e bem-humorado de Stevie. Traz os sucessos “Higher Ground”, “Living for the City” e Don’t You Worry ‘Bout A Thing”.

Após sofrer um grave acidente e passar um período em coma, o artista lançou o profundo álbum “Fulfillingness’ First Finale”, que contou com a faixa “You Haven’t Done Nothin”, uma crítica ao então presidente americano Richard Nixon.

Em 1976, lançou um dos álbuns mais aclamados de todos os tempos, o duplo “Song in The Key of Life”, que ficou 14 semanas no n.º 1 da parada Billboard. Ao todo, o disco incluía as faixas “Sir Duke”, “I Wish”, “Another Star”, “As” e a poderosa “Isn’t She Lovely”.

Na década de 80, Stevie continuou se mostrando gigante e apresentou o disco “Hotter Than July”, com o hit “Master Blaster (Jammin ‘)”. Nos anos seguintes, Wonder continuou entregando ao público álbuns memoráveis.


Sobre Jader Theóphilo:

Jornalista, 24 anos, formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Atua como redator e repórter do Jornal da Cidade BH. É produtor de conteúdo e colunista semanal na Revista Zint, com foco em assuntos culturais, e colaborador do site Notícia Preta. Adquiriu experiencia com apuração e produção de jornais da Record TV Minas, atuou como apresentador, repórter e produtor, na PUC TV. Além disso, participou da produção de 3 programas semanais, na TV Horizonte, e foi analista de mídias sociais, na Horizon, marca mineira de roupas masculinas.

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Dino Zabloudil 5 de junho de 2020

    I just want to say I am very new to blogging and truly savored this web page. Almost certainly I’m going to bookmark your blog post . You certainly come with very good articles and reviews. Thanks for sharing with us your web page.

    http://www.firsttimeiwhtsb.com

  • Avatar
    Luis Otávio 13 de maio de 2020

    Artista completo. Adoro todas as músicas e suas interpretações

Avatar
Deixe um comentário