Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Lábios cheios em alta

23 de abril, 2019
Por: Jornal da Cidade BH
Foto: Divulgação
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Estética. Ter um lábio bem desenhado e volumoso é sinal de sensualidade e juventude e, por isso, o preenchimento labial tem se tornado o “queridinho” dos preenchimentos nos consultórios. Inspiradas nos lábios volumosos de Angelina e Kylie Jenner, dia após mulheres mineiras aparecem nas redes sociais com bocões de dar inveja .

De acordo com o cirurgião dentista especialista em harmonização orofacial, Dr. Rusemberg Oliveira, os lábios são as bordas de mucosa que revestem a boca humana. Sua cor, largura e formato variam de acordo com a etnia e as características genéticas particulares herdadas dos ancestrais. “Pessoas negras, por exemplo, tendem a ter lábios mais grossos e largos do que as pessoas brancas. No entanto, com a evolução dos procedimentos estéticos, todos podem ter lábios mais volumosos, desenhados e sensuais”, explica.

Leita também: Assistência para pacientes com sintomas da dengue é reforçada

Segundo o especialista, o preenchimento é feito com ácido hialurônico, um material biocompatível com o nosso organismo, deixando assim o procedimento mais seguro. “Existem outros materiais para se fazer o preenchimento dos lábios, mas o ácido hialurônico consideramos o mais adequado por ser um procedimento reversível”.

O ácido hialurônico para preencher os lábios é aplicado com uma seringa. “Em média, uma a duas doses de 1ml do produto são suficientes. Mas podem ser colocados 3ml ou mais, depende da necessidade da paciente e desejo”, diz. O resultado imediato é uma das características do preenchimento labial que atrai ainda mais as mulheres – e homens também. O procedimento é indolor, feito com anestesia local, e dura em torno de 20 minutos”.

Leia também: Quadro médico pode ser evitado com maior controle de remédios utilizados

Tempo de duração

De acordo com Dr. Rusemberg o tempo de duração do preenchimento labial é de até 1 ano. Os riscos são inchaço, equimose, edema e raramente necrose. “O importante é fazer com um profissional que seja especialista na área para ele saiba agir nas intercorrência”.

Avalie este conteúdo


Sobre Jornal da Cidade BH:

Portal de notícias de BH e região, com informações sobre eventos empresariais, negócios, economia, política, cobertura social e muito mais.