Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Entrevista com Cíntia Mundin

16 de setembro, 2019
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Saúde. Cirurgiã plástica explica por que há um aumento na procura por intervenções estéticas nas estações mais frias do ano

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, a procura por intervenções cirúrgicas aumenta em até 50% no período de baixas temperaturas. A cirurgiã plástica Cíntia Mundin, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica os benefícios de realizar procedimentos nessa época, entre eles, conforto e exigir a boa forma no verão.

Leia também: Como cuidar da pele no inverno?

JORNAL DA CIDADE Quais são as razões para o aumento da procura por cirurgias plásticas nas estações mais frias?

Cíntia Mundin Devido às vestimentas usadas no pós-operatório, como cintas, talas e espumas, que esquentam e assim ficam mais confortáveis em tempos frios. Em procedimentos corporais, costuma ser necessário usar cintas e meias por um longo período, por isso muitos pacientes optam por fazer essas intervenções no período de baixas temperaturas. Além disso, o edema é menor no frio e as roupas de inverno disfarçam melhor as vestimentas cirúrgicas. Outro ponto favorável é que o paciente já estará pronto para mostrar os resultados da cirurgia no verão.

O risco de complicações no pós-cirúrgico é menor?

Não. Toda cirurgia tem seus riscos que são minimizados pelos exames pré-cirúrgicos bem feitos e pelas ações profiláticas de prevenção às complicações. O risco de complicações no pós-cirúrgico não tem qualquer relação com a época do ano em que se vá realizar o procedimento.

Quais são as cirurgias mais procuradas por homens e mulheres no período de baixas temperaturas?

As corporais são as mais procuradas devido às vestimentas que precisam ser usadas no pós-cirúrgico. E também porque homens e mulheres querem se preparar para o verão, mostrar a boa forma na praia ou piscina.

As cirurgias mais procuradas nesse período são a lipoaspiração, que remodela áreas específicas e remove o excesso de gordura localizada, sendo indicada para gorduras localizadas que não respondem a exercícios físicos ou dietas; abdominoplastia, que entre as técnicas, uma delas consiste na remoção do excesso de pele e gordura do abdômen, tratando também a flacidez de pele ao redor da região umbilical e as estrias entre o umbigo e os pelos pubianos; mamoplastia, para correção de mamas grandes (hipertróficas) e caídas (ptosadas); e ginecomastia, termo utilizado para designar o crescimento da mama em homens, é uma cirurgia que remove a gordura ou tecido glandular das mamas e, em alguns casos, o excesso de pele.

Quais procedimentos cirúrgicos podem ser associados sem que traga riscos de complicações para o paciente?

Associações que não ultrapassem seis horas de cirurgia são as únicas seguras. Duas cirurgias grandes devem ser feitas separadamente. Mas uma cirurgia de médio porte pode ser associada a outra, desde que não ultrapasse o limite de segurança de seis horas.

Quais intervenções cirúrgicas devem ser evitadas nessa época?

Não há nenhuma objeção. Qualquer que seja a cirurgia desejada, independentemente da época do ano, é importante conversar com o cirurgião plástico da sua confiança, passar por uma avaliação rigorosa, fazer os exames pré-operatórios e se planejar.

Leia também: “Não existe beleza ideal e plena”, diz cirurgião plástico

Devido ao aumento da demanda nessa época, os valores com o procedimento e internação hospitalar sofrem reajustes?

Não sofrem nenhum reajuste. Os valores praticados são os mesmos.

Além das intervenções cirúrgicas, principalmente as mulheres costumam recorrer a procedimentos minimamente invasivos. Quais você recomenda?

Independentemente da época do ano, acho que todo paciente deve se cuidar ao longo do ano. O tempo não para. O processo de envelhecimento é dinâmico. Sendo assim, temos que nos cuidar sempre. Os problemas vão aparecendo e podem ser tratados. Além disso, contamos com tratamentos preventivos que levam a um envelhecimento mais saudável e ameno.

A aplicação da toxina botulínica pode ser feita duas a três vezes por ano; o MD Codes e os preenchimentos podem ser feitos a cada dois anos. Bioestimuladores de colágeno a cada 1 ano e oito meses. Hoje, com o avanço tecnológico, principalmente com a chegada do Ultrassom micro e macro focado, o Ultraformer, temos um aliado espetacular contra as quedas teciduais da face e do corpo. São armas potentes e seguras contra os sinais do envelhecimento e, quando bem indicadas e aplicadas, apresentam resultados impressionantes e eficazes.

Foto Thyago Rodrigues

Avalie este conteúdo


Sobre Jornal da Cidade BH:

Portal de notícias de BH e região, com informações sobre eventos empresariais, negócios, economia, política, cobertura social e muito mais.

Senha o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário

×
Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!