Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

No mês de aniversário, BH ganha seis novas exposições

12 de dezembro, 2018
Fotos: Ricardo Laf/Divulgação JC
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Especial. Mostras ocupam os principais museus públicos da cidade, o Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado e o Teatro Marília, explorando aspectos variados da história da capital

 Para celebrar os 121 anos de Belo Horizonte, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, inaugura durante o mês de dezembro uma série de exposições artísticas e culturais na capital mineira. As mostras retratam temas singulares da história da cidade.

O público poderá conhecer as influências dos povos africanos na construção da cidade e a história de três quilombos urbanos, revisitar as belezas dos jardins de Burle Marx, rememorar a atuação da TV Itacolomi, a primeira emissora de TV do Estado, admirar um trabalho singular de arte contemporânea desenvolvido pelo artista Paulo Nazareth, além de conhecer como se construiu e desenvolveu o Teatro Marília, um dos mais importantes da capital.

A programação especial acontece no Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB), no Museu da Imagem e do Som (MIS-BH), no Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado, na Casa do Baile, no Museu de Arte da Pampulha (MAP) e no Teatro Marília. Todas as exposições têm entrada gratuita e indicação classificativa livre.

 “O conjunto de exposições que estamos inaugurando é fruto de um trabalho contínuo realizado ao longo do ano, sempre com a perspectiva de promover o acesso e de reconhecer e valorizar as manifestações artísticas e culturais. As temáticas são importantes para a cidade e instigam o visitante a frequentar cada vez mais os museus e os equipamentos culturais de Belo Horizonte. Aliás, convido a todos e a todas a realizar um circuito, passeando pelas seis exposições que estamos inaugurando”, comenta o secretário municipal de cultura, Juca Ferreira.

NDÉ!

Tendo estreado na última semana, a exposição “NDÉ! Trajetórias Afro-brasileiras em Belo Horizonte” retrata a multiplicidade e a diversidade de contribuições africanas e afro-brasileiras para a construção da história de Belo Horizonte. A mostra marca um importante momento de diálogo e de valorização da cultura negra, além do reconhecimento pela contribuição cultural na formação da sociedade belo-horizontina.

O conjunto apresentado constitui-se de imagens e vozes de mulheres e homens de origem africana, captados em situações diversas: de trabalho, lutas políticas, insurgências, religiosidades, vida familiar, tudo isso em diferentes temporalidades. Os objetos textuais, iconográficos e audiovisuais, de uso familiar ou público, convidam a perceber a presença forte e fundamental da população negra neste território, produzindo-o e sendo dele, no entanto, alijada.

FACA CEGA

No Museu de Arte da Pampulha (MAP) será inaugurada neste sábado, dia 8 de dezembro, a exposição “Faca Cega”, do artista brasileiro Paulo Nazareth. Serão expostas obras site-specific e outros trabalhos do artista que dialogam com o território da Região Metropolitana de Belo Horizonte e com a história do Museu. Trata-se de uma exposição inédita, constituída com obras provocativas, criadas ou reunidas especialmente para o contexto do MAP.

A exposição Faca Cega ocupará diversos espaços do Museu de Arte da Pampulha: seus jardins, o próprio espaço expositivo e a biblioteca. São mais de 40 obras em vários formatos, como desenhos, vídeos, coleções de objetos encontrados, fotografias e instalações.

TV ITACOLOMI

O MIS-BH apresenta a exposição “TV Itacolomi – A Pioneira de Minas”. A mostra viaja pela rica trajetória da primeira emissora de televisão do Estado, reunindo fotografias, depoimentos, objetos e registros audiovisuais. Será retratado o contexto histórico, artístico e da comunicação da TV, explorando, em cada ambiente do casarão, uma linha de produção de modo interativo, contemplativo e informativo.

A exposição no Museu da Imagem e do Som oferece ao público um espaço interativo e de imersão, no qual o visitante pode se conectar com cenários e personagens que marcaram a história da emissora, e reviver imagens que ainda hoje permanecem vivas na memória. Durante todo o período da mostra, serão realizadas ações educativas inserindo o público no ambiente e moldes da exposição.

TEATRO EM CONSTRUÇÃO

O Teatro Marília, um dos mais emblemáticos palcos da capital mineira, terá sua história retratada pela pessoa que inspirou seu nome. Marília Salgado, filha do ex-governador Clóvis Salgado (1906-1978) assina a curadoria da exposição “Teatro em Construção: o Marília nos seus primeiros 20 anos”. A exposição conta a história do teatro por meio de textos curtos, imagens e lembranças de alguns daqueles que estiveram envolvidos no fazer teatral, enriquecendo a memória da cidade de Belo Horizonte.

A abertura da exposição, no dia 12, contará com a exibição do documentário “Primeiro Sinal – A História Do Teatro de Belo Horizonte – Dos Primórdios até 1980”, dirigido por Chico Pelúcio e Rodolfo Magalhães.

MODERNO JARDIM BRASILEIRO

“Moderno Jardim Brasileiro” é uma produção da Casa do Baile, Centro de Referência de Urbanismo, Arquitetura e Design, com curadoria de Cássio Campos e apoio do Escritório Burle Marx. A exposição contextualizará o jardim moderno brasileiro a partir da reprodução de projetos paisagísticos em fac símile, como do jardim italiano da Villa Lante, de Giacomo Vignola; o jardim barroco francês, nos jardins do Palácio de Versailles, de André Le Nôtre; o jardim cubista, no Jardim de Água e Luz, de Gabriel Guévrekian.

QUILOMBOS URBANOS

A exposição “Quilombos Urbanos e a Resistência Negra em Belo Horizonte” traz o acervo de três quilombos urbanos de Belo Horizonte: Quilombo Manzo Ngunzo Kaiango, Quilombo dos Luízes e Quilombo de Mangueiras. A mostra celebra a marca de um ano do reconhecimento dos três quilombos como patrimônio imaterial da cidade, em dezembro de 2017.

A data de abertura da exposição, 13 de dezembro, também comemora o aniversário de quatro anos do Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado.