Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Faleiro utiliza ovos provenientes de aves 100% livres de gaiolas

07 de novembro, 2018
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Cage-free. A Faleiro, umas das líderes de mercado no setor de alimentação no Brasil, anuncia o compromisso de utilizar somente ovos provenientes de aves 100% livres de gaiolas, conhecido como cage-free, em toda a sua cadeia de suprimentos.

A empresa mineira se compromete a realizar as devidas adequações em suas operações e completar a transição até 2025. Essa iniciativa reforça o compromisso com a responsabilidade social, o consumo responsável e a segurança dos alimentos.

Para realizar tal transição, a Faleiro trabalha alinhada à ONG Animal Equality Brasil – uma organização internacional que se dedica a defender animais criados para abate. Além disso, a marca antecipa uma tendência mundial que atende ao apelo de consumidores por produtos que prezam pelo bem-estar dos animais.

Uma prática que já foi adotada na Europa e nos Estados Unidos, por exemplo. “Vamos unir esforços para trabalhar com fornecedores que compartilham de nossos valores. Dentro desse cenário, é importante sublinhar que essa mudança se tornará o padrão de mercado em alguns anos”, elucida Antônio Faleiro Neto, presidente da empresa.

O processo de transição será feito de forma gradual, acompanhando a produção dos fornecedores de ovos cage-free. Para isso, a empresa montou um planejamento para concluir a transição em até sete anos.

Como funciona o cage-free

No sistema de produção cage-free as galinhas poedeiras são criadas fora de gaiolas. Elas são mantidas em um espaço maior para que possam circular, conviver e se alimentar de forma mais livre.

Elas têm ninhos, poleiros, recebem uma alimentação balanceada e ficam em ambientes com luminosidade controlada. Sua adoção é defendida por entidades de proteção animal. O objetivo é prover um sistema que permita à ave expressar seu comportamento natural, com espaço para ciscar, por exemplo.

Estudos apontam que aves menos estressadas produzem mais do que as submetidas ao confinamento, além de obter resultados mais satisfatórios na qualidade do produto.

Foto: Rafael Carrieri