Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

BH recebe terceira edição do Festival do Queijo Minas Artesanal

08 de julho, 2019
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Tradição. Produtores das sete regiões reconhecidas pelo Estado participarão do evento, que contará com oficinas, cursos, degustações e rodadas de negócios

A diversidade de sabores, aromas e texturas de um dos protagonistas da gastronomia mineira vai seduzir até mesmo os paladares mais exigentes na terceira edição do Festival do Queijo Minas Artesanal.

O evento, em 27 e 28 de julho, na Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte, vai reunir produtores das sete regiões reconhecidas pelo Estado de Minas Gerais: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo.

Durante o festival, sete chefs mineiros vão apresentar pratos elaborados com a iguaria, que já conquistou premiações internacionais. Cada chef representará uma região produtora.

Leia também: Queijos de Minas conquistam 50 prêmios na França

Tanto os pratos quanto os queijos estarão à venda no evento. Também haverá cursos e oficinas sobre a conservação correta do produto, harmonização com outros alimentos e como identificar o legítimo Queijo Minas Artesanal de leite cru.

Outros produtos mineiros de alta qualidade, como cafés, azeites, cervejas artesanais, cachaças, vinhos e mel poderão ser degustados e comprados pelo público. A programação inclui rodadas de negócios, apresentações musicais, dentre outras atrações. O festival é uma realização do Sistema FAEMG e do Sebrae Minas.

Novos mercados

Minas Gerais sempre foi reconhecida pela qualidade dos queijos artesanais, mas, os produtores têm agora a oportunidade de ampliar seus negócios. “O queijo, que era vendido como uma commodity, vem conquistado novos mercados, e se tornou um produto gastronômico”, explica Ricardo Boscaro, analista do Sebrae Minas.

Leia também: Começa a Semana da Gastronomia em BH

Os estabelecimentos especializados têm investido cada vez mais em queijos artesanais para atrair a clientela. Esse novo cenário só se tornou realidade quando os produtores perceberam que não basta curar o queijo e vendê-lo, segundo Boscaro. “O consumidor quer mais, ele deseja conhecer a identidade daquilo que leva para casa. É preciso contar a história do produto – de onde veio, como é produzido, quem o faz, dentre outras particularidades”.

Fortalecer a identidade dos queijos mineiros, agregando valor e impedindo que outros produtos de características semelhantes sejam vendidos como se fossem produzidos nas regiões de origem é a estratégia do Sebrae para garantir melhor posicionamento para os pequenos produtores no mercado.

Fotos: Marina Rocha/UNA 360

Reconhecimento mundial

O Queijo Minas Artesanal está entre os melhores do mundo. No último mês de junho, os produtores mineiros levaram para casa 51 medalhas na quarta edição do Mondial du Fromage, o Mundial do Queijo, realizado na cidade de Tours, na França. Foram três medalhas superouro, quatro de ouro, 20 de prata e 22 de bronze, número muito superior ao de medalhas conquistadas em 2017: uma superouro, uma de ouro, sete de prata e três de bronze.

Tradição

O processo de preparo do Queijo Minas Artesanal tem sido transmitido entre gerações desde o século XVIII. A tradição surgiu no ciclo do ouro, quando não era possível aproveitar toda a produção do leite in natura, uma vez que não havia sistemas de refrigeração e a logística era precária. Para conservar o leite, os produtores começaram a fabricar o queijo.

Leia também: BH pode ser cidade criativa da gastronomia pela Unesco

No início, os queijos eram produzidos apenas para consumo familiar. A melhoria genética do rebanho resultou em aumento da produção e as sobras começaram a ser vendidas. Com o tempo, o produto se tornou indispensável ao comércio local. “Hoje, a atividade é a principal fonte de renda de 20 mil produtores em 600 municípios mineiros”, afirma o superintendente técnico da FAEMG, Altino Rodrigues Neto.

O modo artesanal de fabricação do queijo à base de leite cru nas regiões da Serra da Canastra, Serro e Serra do Salitre é registrado, desde 2008, como patrimônio imaterial brasileiro. O reconhecimento foi concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) a partir de uma demanda levantada pelos próprios produtores, em 2001.

Parcerias

O Festival do Queijo Minas Artesanal tem patrocínio do Sistema Ocemg, Mineiraria e Codemge (Governo de Minas Gerais), apoio da Belotur (Prefeitura de Belo Horizonte), Emater, Epamig e IMA, e parceria com a UNA 360 e UNA Gastronomia. A organização é da Panda Promoções e Eventos e a plataforma oficial de vendas de ingressos é a Sympla.

 

Avalie este conteúdo


Sobre Jornal da Cidade BH:

Portal de notícias de BH e região, com informações sobre eventos empresariais, negócios, economia, política, cobertura social e muito mais.

×
Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!