Jornal da Cidade BH | Notícia boa também dá audiência!

Empresários esperam melhorar as vendas no Carnaval

09 de fevereiro, 2018
Jornal da Cidade BH Notícia boa também dá audiência!

Em BH. Estudo da Fecomércio MG aponta que o comércio varejista está com expectativa de negócios superiores em relação ao ano passado

Um grande evento representa também uma ótima oportunidade de crescimento para o empresariado. Com a consolidação do Carnaval na capital mineira, o número de turistas que chegam à cidade para a folia, somado à quantidade de belo-horizontinos que permanecem para aproveitar o período, aumenta a cada ano. De acordo com balanço da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), em 2016, 2 milhões de pessoas curtiram a festa. No ano seguinte, foram 3 milhões, sendo 129 mil turistas. Para 2018, a previsão é de que 3,6 milhões de foliões estejam presentes para o festejo de Momo, sendo 154 mil de fora da cidade. Diante desse cenário, 55,5% dos empresários esperam melhorar suas vendas na festa de Momo, em comparação a 2017, conforme mostra levantamento realizado pela área de Estudos Econômicos e o setor de Negócios Turísticos da Fecomércio MG.

Se, no ano passado, 73,8% dos empresários acreditavam que o período seria positivo para o setor do comércio, em 2018, esse percentual subiu para 80,2%. A melhora nos números está atrelada à perspectiva de maior presença de turistas na cidade (conforme 54,4% das empresas avaliadas), seguido pela expectativa de maior movimento, apontado por 29,4% dos entrevistados.

De acordo com a analista de Turismo da Fecomércio MG, Milena Soares, o Carnaval se tornou uma data para as empresas do comércio de bens, serviços e turismo da capital investirem pensando no viés turístico. “Os empresários têm que aproveitar o fluxo de turistas para fidelizar esse nicho de cliente. As ações devem promover uma experiência positiva, como um bom atendimento e prestação de serviço, pois essa experiência será determinante para que o visitante retorne à cidade nos anos seguintes e indique a capital mineira para seus amigos e parentes”, destaca.

O levantamento ouviu empresas das regiões Leste, Oeste e Centro-Sul, totalizando 17 bairros onde está concentrada a maior quantidade de blocos que desfilam durante a festividade, além de eventos que antecedem o Carnaval. Foram avaliados os segmentos de departamento, vestuário, calçados, produtos farmacêuticos (cosméticos e perfumaria) e gêneros alimentícios.

Entre as empresas que irão funcionar durante os quatro dias de Carnaval (66%), 28,6% vão investir na comercialização de itens sazonais. “O Carnaval é considerado pelos empresários um período de grandes oportunidades de vendas. Para isso, o varejo passou a comercializar itens que normalmente não são vendidos no decorrer do ano, como kits e promoções pontuais. Outra ação identificada é o investimento na visibilidade da loja”, destaca a analista de Pesquisa da Federação, Elisa Castro.

Ela explica que, com a consolidação da data na capital mineira, a confiança do empresário aumentou. Por muitos anos, esse foi um período que não trazia impacto para o varejo, já que os consumidores locais viajavam. “A partir de 2014, a população passou a ficar na cidade, muito por conta da crise econômica. Esse cenário ajudou a consolidar a festa em Belo Horizonte. Nos anos seguintes, o Carnaval passou a fazer com que os belo-horizontinos, mesmo com condições de visitar outras cidades, optassem por permanecer na capital”, completa.

Foto: Divulgação